Mark Driscoll: a religião é repugnante

Mark Driscoll

O jovem pastor norte-americano Mark Driscoll diz que a religião é repugnante. Afirma que ela classifica as pessoas em boas ou más e, Deus, ama aquelas que andam na linha, ou seja, as pessoas boas. Para refutar tal condição cita Romanos 5.8: “Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores”.

Para Driscoll o Evangelho redentor também faz uma classificação. Novamente dois tipos: pessoas más arrependidas e as más não-arrependidas. Para endossar cita Romanos 3.23: “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”. Por isso diz que todos somos maus, a diferença está que alguns se arrependeram dos seus pecados e deixaram o passado onde ele deve ficar mesmo, para trás.

Para ilustrar sua mensagem diz que se o mundo fosse um grande faroeste todos estariam de chapeu preto, apenas Cristo teria chapeu branco.

Até aqui nada de novo. Todos aqueles que leem a Bíblia sabem que não há um justo sequer sobre a Terra:

“Pois quê? Somos nós mais excelentes? De maneira nenhuma, pois já dantes demonstramos que, tanto judeus como gregos, todos estão debaixo do pecado; Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer” (Romanos 3. 9,10).

De fato, o que nos faz diferentes uns dos outros é se nos arrependemos dos nossos maus caminhos e buscamos o Senhor com sinceridade, esforçando-nos para obedecer-lhe:

“E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra” (2 Crônicas 7.14).

Mas em relação a Mark Driscoll, as atenções têm se voltado para que tipo de pessoa ele é. Tem chamado a atenção o seu jeito irreverente – para alguns – de falar em público. Dizem que faz uso de palavrões em seus pronunciamentos. A justificativa que encontraram é que “talvez por não ter se tornado cristão antes de entrar para a faculdade, ele não soubesse que não deveria falar palavrões e ser um pastor”, diz Donald Miller em seu livro Como os pingüins me ajudaram a entender Deus, segundo Alexander Fajardo escreveu em seu blog.

Sem dúvida, é um pastor polêmico, mas tem ajudado a pregar o Evangelho de Cristo puro e simples, apesar de não ser isto uma compensação para os palavrões.

Assine este site para ser avisado, por e-mail, sobre as atualizações. Você pode assinar na coluna ao lado. Procure por: “Atualizações no seu email. Assine”.

Veja abaixo um vídeo legendado de uma de suas pregações:

Texto revisado e republicado.
Originalmente publicado em 20 de Março de 2009.
Anúncios

There are 2 comments

Seu comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s