A família, estritamente

Happy_family_(1)

Certo dia, ouvi uma pessoa dizendo mais ou menos assim: “família é onde tem amor”. Isso me chamou atenção, pelo fato da simplicidade e da má conceituação da palavra família. A simplicidade não é tão problemática. O perigo mesmo reside na má conceituação.

Uma má conceituação de qualquer coisa pode gerar muitos desentendimentos, como também abertura para a defesa de crimes. A má conceituação torna-se ainda pior quando se utiliza de termos subjetivos.

Ora, o que é o amor? Vocês leitores podem me escrever mil definições, e todas podem estar corretas. Entretanto ninguém pode dizer que conseguiu a conceituação cabal da palavra. Eu, por exemplo, prefiro a definição de amor como atitude, em vez de sentimento. Mas há aqueles que discordam, e eu não tenho como prova-los errados.

Portanto, conceituar a família como um local onde um indivíduo percebe amor, é muito vago, além de impreciso. Ainda bem que podemos apelar à biologia para conceituar objetivamente o que é família.

Uma definição enxuta e breve pode ser vista neste post. Entretanto este texto que você está lendo agora acrescenta algumas coisas à definição citada. Portanto, é recomendável que se continue a leitura. Deixe de preguiça.

A conceituação de família se inicia no que é conhecida como núcleo familiar, ou seja, um homem, uma mulher e seus filhos. Observe que um casal não é conceituado como família. A família se inicia somente após a reprodução do casal.

Todavia, o casal possui também – cada cônjuge – o seu pai e sua mãe, como também podem possuir irmãos, e os seus pais também podem possuir irmãos.

Para efeito de conceituação clara, chamemos então os pertencentes a um núcleo familiar como parentes de primeiro grau. Estes parentes serão aqueles onde se espera maior afinidade pessoal e que têm, de qualquer jeito, uma enorme afinidade genética.

Expandindo o conceito, os avós, tios e primos de um determinado indivíduo podem ser chamados de parentes de segundo grau. Há entre eles grande afinidade genética, porém não tanto quanto os parentes de primeiro grau. Espera-se também – porém pode ser mais difícil – uma afinidade pessoal, ou seja, boas relações entre os mesmos. É neste estágio onde vários núcleos familiares diferentes passam a ter, no mínimo, um elo sanguíneo/genético de cada lado.

Continuando a conceituação, os irmãos, tios, sobrinhos, primos e demais familiares dos avós de um indivíduo, como também cunhados, concunhados e os parentes dos cunhados e concunhados são definidos aqui como parentes de terceiro e quarto graus. A afinidade genética entre esses parentes é praticamente nula, e provavelmente é ainda mais difícil a afinidade pessoal, sendo que normalmente, com parentes tão distantes, as pessoas as consideram apenas colegas ou conhecidos.

Então o que se percebe é que, a definição familiar depende da genética dos indivíduos – antigamente era mais comum se referir ao sangue. Não necessariamente uma família terá o amor exercido entre seus membros, seja qual for o grau de parentesco. Há lares onde pais e filhos se odeiam. Não existe amor, mas ainda assim são uma família.

Por fim, há o caso de amizades profundas. Já dizia o sábio Salomão:

Quem tem muitos amigos pode chegar à ruína, mas existe amigo mais apegado que um irmão (Provérbios 18.24).

Ainda:

O amigo ama em todos os momentos; é um irmão na adversidade (Provérbios 17.17).

Os dois versículos transcritos acima mostram uma realidade do nosso mundo: muitos de nós amamos mais alguns amigos que nossa própria família. Ainda alguns amigos se mostram tão valorosos que nos tratam como parte de sua família.

Com isso podemos ver o que é esperado de uma família, mas não necessariamente obtido. E quando aquilo que é esperado da família é obtido fora dela, passamos a considerar algumas pessoas como parte da família, tamanha é a amizade. Entretanto, ainda que gigante seja a amizade, e que os amigos se vejam como irmãos, estritamente, eles são apenas amigos.

Anúncios

About Evandro J.R. Silva

É Doutorando em Ciência da Computação. Convertido desde os 6 anos de idade, a partir dos 15 anos começou a ler e estudar a Bíblia autodidaticamente. É membro de uma Igreja Batista. Gosta bastante de jogos eletrônicos e de ler, principalmente sobre apologética e literatura fantástica. Tem como gosto musical preferido o metal sinfônico.

There are 2 comments

Seu comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s