O limite da liberdade

Certa vez ouvi: Não há liberdade sem autoridade.

Comecei a matutar nessa frase. Sem autoridade, não teríamos liberdade; mas no sentido mais comum e ignorante[?] liberdade não seria justamente o contrário? Liberdade não seria liberdade justamente porque não haveria autoridade alguma impondo limites e regras? Se sim, como evitar o caos? Se não, o que seria então liberdade, já que esta não pode ser usufruída em sua totalidade? E por que mesmo não pode ser usufruída em sua totalidade?

Bem, poderia escrever um texto inteiro só de perguntas, porém, vamos nos concentrar nessas acima e meditar um pouco em suas possíveis respostas.

Pra começar, liberdade, de acordo com o dicionário Michaelis, é o poder que alguém tem para exercer sua vontade livremente, sem impedimentos, ou seja, quem é livre faz o que quer, do jeito que quer, na hora que quiser e quantas vezes achar necessário fazer.

Vemos aí, o primeiro problema — para nós humanos — da liberdade: e se me der vontade de matar o mundo inteiro, sendo eu livre? Isso é só um exemplo um tanto exagerado do mal que poderia advir da liberdade [total]. Pensando só um pouco mais: mesmo sendo eu livre, quantas pessoas impediriam essa expressão maquiavélica da minha liberdade?

Vamos continuar pensando no que poderia acontecer caso fôssemos totalmente livres: milhares de pessoas seriam assassinadas — algumas se defendendo, outras morrendo sem chance alguma, outras porque suas vítimas se defenderam muito bem –, os países do Oriente Médio já teriam feito e despejado todas as suas bombas atômicas em Israel, desde os primeiros testes; um número crescente de pessoas só saberia ler e/ou escrever, dedicando-se principalmente à curtição da vida e a economia iria entrar rapidamente num super colapso. Essa é uma parte ruim.

Podemos pensar agora em coisas boas: A Câmara dos Deputados e o Senado Federal não existiriam, pois com cada um fazendo suas vontades não haveria governo e estaríamos privados de sentir tanta vergonha de nossos representantes. Algumas pessoas, de início, ajudariam outras, mas após um tempo cederiam à curtição da vida. Então temos quase nada bom e quase tudo ruim advindo da liberdade total. Por quê?

Continua página dois

Anúncios

About Evandro J.R. Silva

É Doutorando em Ciência da Computação. Convertido desde os 6 anos de idade, a partir dos 15 anos começou a ler e estudar a Bíblia autodidaticamente. É membro de uma Igreja Batista. Gosta bastante de jogos eletrônicos e de ler, principalmente sobre apologética e literatura fantástica. Tem como gosto musical preferido o metal sinfônico.

There is one comment

Seu comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s