As proteínas que podem ser alternativa a antibióticos | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida

Via  | Por Fabian Schmidt


Ao descobrir a penicilina, há 90 anos, Alexander Fleming já alertou para bactérias resistentes. Modificadas em laboratório, moléculas antibacterianas conhecidas como artilisinas podem ser solução para o problema.

Trata-se de proteínas de lisina modificadas em laboratório e produzidas por bacteriófagos. Esses, por sua vez, são vírus que infectam especificamente bactérias, utilizando-as como células hospedeiras com vista a se reproduzir.

“A lisina é encontrada em muitas formas na natureza”, explica Griessl. “Bacteriófagos usam lisinas para dissolver a parede celular de sua célula hospedeira – para sair do interior da célula, por assim dizer.”

Artilisinas não são antibióticos. São moléculas cem vezes maiores e funcionam segundo um mecanismo de ação completamente diferente.

As artilisinas são projetadas por Griessl para aplicações muito específicas e eficazes contra certos patógenos. Elas desestabilizam a parede celular das bactérias e destroem as células.

………..

Continue lendo. Clique abaixo:

Fonte: As proteínas que podem ser alternativa a antibióticos | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 03.09.2018

Anúncios